A tecnologia favorece o equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal

jan 30, 2020, 22:04 by Alejandro Smith
A tendência de design para os locais de trabalho mais significativa dos últimos tempos tem um símbolo, cuja disseminação é um bom indicador da profundidade da mudança nestes locais desde a virada do milênio.

A tendência de design para os locais de trabalho mais significativa dos últimos tempos tem um símbolo, cuja disseminação é um bom indicador da profundidade da mudança nestes locais desde a virada do milênio. Este símbolo é a mesa de pingue-pongue, e muitos leitores deste artigo provavelmente estarão próximos de uma agora.

Convenientemente, esses objetos são uma poderosa metáfora visual para a tendência que representam: O equilíbrio entre trabalho e vida pessoal. Ah, o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal...! Todos querem ter certeza de que o aprimoram, mas continua a ser ilusório, uma vez que o vaivém entre o que é divertido e o que é produtivo varia conforme a conveniência. A mesa de pingue-pongue é uma ótima ferramenta de lazer, mas frequentemente também é o local em que as equipes se distanciam o bastante de um desafio no trabalho para encontrar espontaneamente uma solução.

Aí reside o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. A adição de opções leves, pessoais e confortáveis no escritório é um aprimoramento da produtividade. E agora existem métricas para provar isso. Novas pesquisas e análises centradas no ser humano, como o WELL Building Standard, estão fornecendo diretrizes pelas quais podemos avaliar de que maneira o trabalho está se equilibrando com a vida pessoal em um escritório.

Como se vê, estas condições e ideais centrados no ser humano exigem elementos aparentemente opostos à tecnologia. Mas não se trata apenas de qualquer tecnologia, trata-se da instalação cuidadosa de elementos multissensoriais, que ofereçam modos de trabalhar e engajar com o ambiente de trabalho mais centrados no ser humano.

Ambientes luxuosos de escritório incorporam elementos multissensoriais que promovem o bem-estar. Crédito da foto | AVIXA Ambientes luxuosos de escritório incorporam elementos multissensoriais que promovem o bem-estar. Crédito da foto: LSTN

Medição dos Intangíveis

Como é o caso de quase todos os elementos ligados aos negócios, métricas e análises são cada vez mais importantes. Mas, felizmente para aqueles já sobrecarregados pelos indicadores de desempenho – KPIs, agora também existem maneiras de alcançar uma pontuação melhor nos quesitos de saúde e bem-estar originados do equilíbrio entre a vida profissional e pessoal.

Um desses indicadores é o WELL Building Standard, lançado no mercado mundial pelo International WELL Building Institute (IWBI) em 2014. O WELL Standard apresenta uma análise quantitativa dos aspectos centrados no ser humano utilizados no design de um escritório, algo que os consultores especializados defendem em suas práticas há muito tempo.

“As empresas começam a entender aquilo que os designers sempre compreenderam, que é o impacto na saúde e no bem-estar humano a partir da forma como projetamos os escritórios e outros espaços interiores”, observa Jessica Cooper, diretora comercial da IWBI. “E, finalmente, quando uma pessoa é mais saudável e mais feliz, é mais produtiva, mais engajada em seu local de trabalho e, portanto, o negócio tem um desempenho superior”.

Os dez conceitos que o IWBI cita como essenciais nos atributos de promoção da saúde em um edifício incluem fundamentos como ar, água e os materiais de construção. Também é dada ênfase a projetos que incentivem o movimento através do espaço, o envolvimento com a comunidade e a promoção de uma alimentação saudável. 

dOs espaços de envolvimento da comunidade são bem equipados com tecnologia de reunião, além de um ambiente confortável. | AVIXA Os espaços de envolvimento da comunidade são bem equipados com tecnologia de reunião, além de um ambiente confortável. Crédito da foto: LSTN

Iluminação e sonorização também são conceitos-chave, o que está levando muitas empresas a darem maior atenção ao projeto acústico e audiovisual. Os projetistas desses campos sempre trabalharam com fatores humanos em mente, mas agora um valor ainda maior está sendo atribuído à sua contribuição para o projeto geral de um espaço. E, melhor ainda, com métricas que avaliam o impacto saudável do audiovisual, da acústica e da iluminação. “Agora os projetistas têm novas formas para defender e manter o escopo do projeto”, observa Cooper. “Portanto, é menos provável que eles projetem para um cliente que realmente não entende o valor”.

O audiovisual está presente em várias áreas para promover o bem-estar no local de trabalho, começando com conceitos básicos, como considerações mecânicas e logísticas sobre a conectividade em salas de reunião. Mas, depois se expande para os reinos multidimensionais do conforto acústico, níveis de ruído e iluminação, que promovem a acuidade visual e os benefícios circadianos.

A chave para os benefícios também é a manutenção e a usabilidade, diz Cooper. “Se você não tem boas políticas ou diretrizes sobre os procedimentos AV, isso pode levar ao estresse, que afeta o desempenho das pessoas em suas reuniões”, observa Cooper. “Então, pensar em como o audiovisual é operado é tão importante quanto garantir que eles sejam projetados corretamente”.

Afastando-se do modelo mental do 16:9

Mesmo quando a conscientização sobre o equilíbrio entre vida profissional e pessoal aumenta, as pessoas passam o mesmo tempo - ou até mais - no escritório.

Como resultado, “as pessoas esperam que este equilíbrio aconteça em ambos os espaços, não apenas no trabalho e não apenas em casa”, observa Emily Webster, vice-presidente sênior de criação e diretora da ESI Design “Para conseguir isso, você deseja ter algumas coisas que teria em casa e ajudariam a definir um ambiente tranquilo, um espaço agradável para ficar durante um dia ou uma semana inteira”.

Uma maneira de influenciar a atmosfera de um ambiente é através da arquitetura de mídia, a adição cuidadosa de painéis de vídeo e conteúdos com curadoria para ajudar a mudar a mentalidade em relação ao descuido com o trabalho. Mas tome cuidado para não tornar isso um espaço de publicidade da empresa.

Arquitetura de mídia | AVIXA A arquitetura de mídia é cada vez mais comum nos espaços de trabalho modernos.Crédito da foto: Caleb Tkach, ESI Design

“As pessoas realmente não querem entrar e ver espaços super ocupados, cheios de logotipos piscando na sua cara. Elas querem algo que aumente a vibração do escritório e isso geralmente significa ocupar a cabeça das pessoas com pensamentos que vão além do escritório”, comenta Webster.

Talvez a primeira forma de ir além do escritório seja ir além do padrão 16:9 usado nos monitores de mesa e dispositivos móveis. Segundo Webster, dependendo do público e dos objetivos do desenvolvedor de um ambiente de trabalho ou empreendimento específico, isso pode incluir a adição de novos formatos, com intervenções artísticas ou outras maneiras equilibradas de “usar a camada digital dentro da arquitetura para criar momentos de foco e pausa, momentos de persistência e de lazer.”

Muitas possibilidades emergem desses ideais, mas duas abordagens gerais tendem a surgir: A narrativa direta e a indireta. No primeiro caso, o uso de conteúdos de marketing e dados diários da empresa para compartilhar o progresso e criar conexões entre os membros da equipe que, de outra forma, poderiam continuar isolados em seu próprio trabalho, sem sentir os efeitos positivos de como o seu trabalho afeta os objetivos gerais da empresa. Esse era o pensamento por trás da eBay Main Street, onde a ESI Design ajudou a exibir os dados de uma maneira que era, como descreve Webster, “menos planilha, mais animação e uma estrutura visual para as pessoas se interessarem mais pela história”.

Como alternativa, existem as histórias mais ambientadas, que os edifícios podem contar em uma vizinhança. Para instalar a iluminação do “Sensing Change” na parede externa de uma garagem na 151 North Franklin, em Chicago, a ESI Design decidiu incluir algo dinâmico a um espaço estático. “Nesse projeto, o clima realmente se tornou o motor do conteúdo”, explica Webster. “Porque não estávamos tentando contar a história de uma marca sobre o prédio. Estávamos tentando permitir que o prédio conversasse com a cidade e com as pessoas que estavam no terraço do lado de fora.”

Sensing Change, da ESI Design, na 151 North Franklin | AVIXA "Sensing Change", da ESI Design, na 151 North Franklin. Crédito da foto: Caleb Tkach, ESI Design

Tratando os Fatores Humanos Invisíveis

Juntamente com o aumento na ênfase dada às melhorias de produtividade centradas no ser humano, surge a demanda por um design mais holístico da experiência no local de trabalho. Isso inclui os aspectos abrangentes da acústica.

Um elemento sensorial primário é como uma sala é sentida, afinal, a assinatura acústica de uma sala pode criar ou interromper a noção de conforto. Particularmente, no caso dos escritórios abertos, quase onipresentes na atualidade, onde os ruídos podem distrair e impedir as pessoas de se concentrarem em suas tarefas, comprometendo o bem-estar.

Reclamações sobre a falta de privacidade e a incapacidade de concentração têm levado a um aumento na demanda por consultores de acústica. Esses especialistas sempre estiveram preocupados com o ser humano, diz Matt Mahon, parceiro da LSTN Consultants. E, quando se trata de usar normas técnicas para projetar, levando a saúde em consideração, ele acrescenta: “Sempre precisamos interpretar as experiências das pessoas baseados em informações técnicas, que contribuam para a criação de um ambiente onde elas possam experimentar e desfrutar”.

Tetos mais altos ajudam a atenuar distrações ruidosas em escritórios abertos | AVIXA Tetos mais altos ajudam a atenuar distrações ruidosas em escritórios abertos. Crédito da foto: LSTN

Existe esperança na correção dos problemas dos escritórios abertos, diz Mahon, e ele vem com uma abordagem holística: “É pensar no projeto de ambientes com a mesma intensidade em que você pensa em conforto”.

Ao fazer isso, uma solução surpresa pode ser descoberta nesses espaços abertos. “Acho que vamos ver nos próximos anos que é realmente benéfico ter tetos mais altos - ou seja, expor suas estruturas em vez de adicionar um teto suspenso”, diz Mahon. Tetos mais altos significam mais volume, e “isso permite que os sons das pessoas criem um burburinho natural, inerentemente ininteligível. Você é capaz de parar de notar todas essas vozes reverberantes como conversas e o seu cérebro relaxa dizendo: 'Isso é apenas barulho'.”

Esta é uma visão ampla. Então, é importante considerar os diferentes objetivos em vários espaços. Empregar um design centrado nas pessoas significa acomodar-se ao trabalho individual, focado em ambientes sem distrações. Quando a colaboração é o objetivo, é preciso garantir que o espaço permita uma comunicação clara tanto na sala quanto remotamente, por videoconferência.

“É quando você começa a falar sobre os projetos de particionamento, das paredes e mecânico”, descreve Mahon. “Também estamos falando sobre os acabamentos naquele espaço. Por exemplo, se você construir uma caixa com placas de gesso, ela será reverberante e dificultará a compreensão do que está sendo dito, mesmo do outro lado da mesa. Mas se você pensar nos acabamentos de maneira que promova a inteligibilidade como tarefa principal, para um entender ao outro, estará fazendo algo positivo.”

Faça um Spa Day Todos os Dias

Após considerar o bem-estar, os elementos visuais e acústicos do local de trabalho, ainda existem mais dois componentes: A música e o conforto real das pessoas no espaço.

Michael Judeh, Diretor de Tecnologia AV da Convene Conference Centers resume: “As pessoas não querem mais trabalhar em cubículos, mas também não querem necessariamente trabalhar nesses ambientes abertos malucos, então, acho que os itens de conforto são mais complexos do que o projeto dos móveis. As pessoas querem opções. Trata-se de fornecê-las de forma que elas possam adaptar sua experiência à maneira que desejam trabalhar”.

Como fornecedora para escritórios luxuosos e espaços de eventos, a Convene dispõe de uma grande variedade de espaços de trabalho e colaboração. Recentemente eles se dedicaram a prover benefícios extras. A Convene já dispunha de comida deliciosa e produtos de beleza em cada uma de suas localizações, mas para a unidade localizada do número 530 da 5ª Avenida, em Manhattan, a empresa dedicou um dos quatro andares desse local emblemático com 9.200 metros quadrados para ser um verdadeiro espaço de comodidades.

Há uma academia e vários spas, saunas secas e úmidas. Os usuários também podem programar um cochilo para recuperar o sono ou reequilibrar os seus ritmos circadianos. “A idéia era amenizar o espaço do escritório e tratá-lo mais como um hotel cinco estrelas do que um prédio típico”, disse Judeh. Para isso, a Convene estabeleceu uma parceria com vários provedores de serviços dedicados ao bem-estar. A Hydra oferece aulas de fitness e a Eden Health oferece serviços médicos básicos.

Para garantir que todos esses serviços atinjam o máximo potencial, a equipe de tecnologia AV da Convene considerou diversas necessidades. “Tem a ver com a atmosfera do espaço”, diz Judeh, listando como elementos-chave como a curadoria da música ambiente para definir o humor, além dos elementos de sinalização digital para promover a marca e orientar o deslocamento pelos ambientes.

Além disto, há detalhes de conectividade, como microfones e entradas para a música dos instrutores de fitness. “Fornecemos aos instrutores convidados a possibilidade de criarem o seu próprio ambiente e tornamos super fácil usá-las”, detalha Judeh. “E então, quando os instrutores desconectam os seus aparelhos, o sistema automaticamente volta para a nossa música ambiente”.

Ele continua: “As infraestruturas de TI e energia também são críticas, principalmente quando temos espaços com academias. Muitos equipamentos de ginástica precisam de energia, é claro, mas também precisamos de conectividade de dados para a IPTV.”

Em última análise, trata-se de proximidade e facilidade de acesso. “Se você pode terminar seu trabalho e ir direto para a academia no andar de cima, ou se tiver acesso a boa comida e cafeterias agradáveis no escritório, isso o torna um lugar melhor para trabalhar. Também aumenta a produtividade, porque você passa mais tempo no local de trabalho. Agora, com o foco na saúde e no bem-estar, colocar essas coisas ao alcance das pessoas aumenta a probabilidade de elas serem utilizadas. É realmente o topo do design para ambientes de trabalho.”