• Type: Whitepaper
  • Date: abril 2019

Por Margot Douaihy

Em uma empresa administrada pelos nativos digitais, você poderá encontrar um espaço caracterizado não apenas por sua planta baixa, mas também por sua capacidade de adaptação. Pense em dispositivos móveis em todos os lugares, mas sem mesas ordenadas; tecnologia de colaboração por toda parte. Quando as pessoas se encontram, é via vídeo - e não apenas em salas executivas, mas em todos os lugares. 

Embora esse "escritório moderno" ainda não seja convencional, já podemos ver no horizonte, em parte devido à onipresença e à crescente usabilidade de soluções audiovisuais (AV), como videoconferência e interfaces de computação compartilhadas. Uma evolução semelhante está acontecendo nas salas de aula, onde os espaços de aprendizagem estão sendo reinventados para promover uma melhor interação e trabalho em grupo.

A tecnologia está mudando a maneira como pensamos sobre o trabalho e a vida, o que, por sua vez, afeta os lugares onde trabalhamos e vivemos. Estamos próximos de uma mudança dramática e o AV desempenha um papel fundamental.

Design do espaço de trabalho: Pronto para qualquer coisa

As corporações são as maiores compradoras de soluções AV, e o motivo é importante: As empresas equipadas com tecnologia estão mais bem posicionadas para recrutar e reter os melhores talentos. De acordo com o relatório Industry Outlook and Trends Analysis (IOTA) da AVIXA, “uma parcela cada vez maior de empresas americanas está inovando ao trazer os funcionários de volta à sua base. A implementação da tecnologia AV é o caminho para as empresas se esforçarem para tornar o escritório "o lugar certo", em parte ao melhorar a experiência do usuário."

Esses ambientes podem habilitar os funcionários a trabalhar de maneira compatível com suas capacidades. Espaços multifuncionais e com muita tecnologia disponível também podem dar nova vida à práticas estagnadas e promover fluxos de trabalho mais eficientes.

Com a crescente demanda por soluções AV flexíveis no local de trabalho, surge a necessidade de projetos de escritório adaptáveis. Uma pesquisa feita pelo escritório de arquitetura e design Gensler mostra que o “coworking¨ se tornou um elemento essencial para proporcionar avanços constantes. Em 2005, os locais de trabalho dedicaram 89% do espaço a mesas individuais. Hoje, são 25% e, até 2025, as mesas individuais poderão não existir mais.”

Esses espaços de trabalho abertos e colaborativos têm seu lado positivo, mas também apresentam desafios. Um estudo recente de Harvard constatou que escritórios abertos podem prejudicar a produtividade porque os trabalhadores sentem que não têm privacidade - poder ouvir todo mundo o tempo todo tende a distrair ou causar o suficiente para parar de falar e realmente diminuir a colaboração.

Soundscaping da Plantronics | AVIXA Soundscaping da Plantronics

As soluções audiovisuais podem desempenhar um papel crítico, transformando o espaço de trabalho moderno e aberto em um espaço produtivo. Os ecossistemas AV, como o Habitat Soundscaping da Plantronics, combinam componentes de áudio e vídeo - além de elementos físicos não técnicos - para criar escritórios mais propícios à colaboração. Imagine displays de vídeo que parecem ser janelas ou claraboias, sons da natureza - especificamente água corrente - tocando em alto-falantes ocultos e cachoeiras modulares suavemente iluminadas. A Plantronics reformulou seus próprios escritórios em Santa Cruz, na Califórnia, com sua tecnologia para criar uma experiência integrada. Não é apenas o som da água que os funcionários acham tranquilizante; de fato ver a água — ao vivo ou em uma tela — ajuda a completar o circuito cognitivo e cria um ambiente sereno que reduz as distrações de um escritório aberto.

Em outras empresas, a experiência AV começa onde as pessoas costumam ter sua primeira impressão: o lobby. As experiências no lobby podem ajudar a estimular os funcionários e atrair os visitantes. Veja, por exemplo, a localização da Main Street do eBay no Vale do Silício, criada pela ESI Design, arquitetada pelo integrador AV Diversified, e que ganhou vida com o conteúdo imaginado pelo estúdio de multimídia Float4.

Campus Corporativo do eBay | AVIXA Campus Corporativo do eBay

Ao entrarem no saguão, funcionários, parceiros e visitantes são imediatamente recebidos pela tecnologia que conta a história da empresa. Colunas de LED fabricadas sob medida e telas de toque interativas exibem conteúdo que se mistura com o ambiente. A peça central do lobby é um videowall de 4,5 m onde funcionários e visitantes podem tocar em ícones de produtos para ver quantos foram vendidos recentemente no eBay.

"A Main Street infundiu muito mais energia e orgulho em nossa base de funcionários", disse Wendy Jones, Vice-presidente Sênior de Operações Globais do eBay.

Portanto, as tecnologias de colaboração são a cola que une essa força de trabalho móvel, estimulada e com conhecimento técnico. “A colaboração baseada em vídeo incentivará a conexão e comunicação aprimoradas entre os funcionários no local de trabalho e colegas, clientes e consultores remotos”, afirma Craig Park, Consultor Principal do The Sextant Group.

Campus Corporativo do eBay | AVIXA Campus Corporativo do eBay

Mas, apesar de todo o discernimento técnico dos trabalhadores de hoje e sua relutância a práticas comerciais desatualizadas, as soluções audiovisuais colaborativas implantadas em um escritório moderno devem ser fáceis de usar. Não há tempo para correções de erros onerosas ou tempo de inatividade. Os funcionários já têm muitas telas em suas vidas. Eles esperam ter espaços de trabalho dinâmicos com várias telas que possam entrar instantaneamente para imersão visual. E o AV implementado hoje deve ser ágil o suficiente para ser compatível com os próximos grandes aplicativos, ou com o paradigma de grupos de trabalho, sejam eles quais forem.

A CohnReznick, empresa de contabilidade de Nova York, construiu o que chama de "Innovation Lab" em seu escritório em Manhattan, oferecendo aos clientes a capacidade de criar soluções de negócios com a equipe da CohnReznick de forma rápida e eficiente através de uma combinação de sistemas AV, software proprietário e dados. O software que permite aos usuários editar e manipular documentos, vídeos, elementos gráficos e mais em várias telas, além de uma matriz de grandes telas sensíveis ao toque, formam a base. O espaço também inclui câmeras para videoconferência e microfones embutidos no teto da sala para fornecer cobertura de captação sonora para todos os assentos. A empresa colocou videowalls adicionais em seus escritórios em Chicago e Nova York para que participantes remotos pudessem participar das sessões.

Innovation Lab, CohnReznick | AVIXA Innovation Lab, CohnReznick

“Estudos sugerem que as organizações que estimulam com sucesso uma cultura de inovação obtêm lucros maiores em comparação à concorrência. Infelizmente, muitas empresas em crescimento não têm capacidade, incluindo o acesso às mais recentes ferramentas e estruturas e a profissionais treinados para implementá-las, para criar crescimento inovador ”, afirma Keith Denham, Diretor Administrativo e Diretor Nacional da CohnReznick Advisory. “Criamos o Innovation Lab para ajudar os clientes a construírem uma cultura de negócios renovada, que seja rápida e ágil, agarrando as oportunidades antes da concorrência para progredir e permanecer lá.”

De acordo com CohnReznick, agora suas equipes são 60% mais rápidas na resolução de problemas e, do ponto de vista das operações, elas se tornaram 45% mais eficientes do ponto de vista econômico desde a implementação da solução AV do laboratório. E, por melhores que sejam os recursos de colaboração remota, CohnReznick constatou que o trabalho de design e estratégia é especialmente eficaz quando os participantes estão fisicamente no laboratório, onde podem interagir com as ferramentas de colaboração de AV.

“Como o espaço de trabalho nos permite colaborar em tempo real com consultores e clientes em diferentes locais, nossas reuniões não só se tornaram mais produtivas, como nossa equipe ficou mais alinhada com os clientes”, afirma Paul Gulbin, Diretor Administrativo da CohnReznick Advisory.

O desafio em tudo isso? Integrar AV e colaboração em espaços de trabalho para que os usuários possam ser produtivos. “O trabalhador padrão quer ser capaz de usar tecnologias elevadas sem treinamento extensivo”, afirma Shane Springer, CTS-I, engenheiro e consultor independente. Ele observou "um aumento da automação mais inteligente" e padrões que podem ajudar os funcionários a se locomoverem de sala em sala ou de sistema em sistema "sem ter que reaprender a interface do usuário".

Síntese Criativa e o Novo Espaço de Aprendizagem

Assim como o campus corporativo, o campus universitário está pronto para a inovação. Desde os clubes de AV de outrora até os displays de 4K em laboratórios de anatomia, as soluções audiovisuais e o setor de ensino estão intrinsecamente ligadas.  Espaços comunitários, “sandboxes” com telas interativas e espaços de ideação interdisciplinar estão se tornando mais comuns. Mas para Tim Van Woeart, Supervisor Sênior de Projetos de Serviços de Sala de Aula Digital da Universidade Rutgers, o aprendizado ativo ainda é a tendência dominante do espaço de aprendizado.

As salas de aprendizado ativo podem acomodar pequenos grupos, receber sessões de discussão e apoiar o compartilhamento de ideias de maneira significativa e multimodal. Independentemente dos sistemas de apresentações audiovisuais com ou sem fio, “todo mundo parece estar participando da dinâmica de colaboração agora”, diz Van Woeart.  

Aprendizagem ativa significa dar aos alunos mais atuação no processo. "E também atende a muitas das necessidades atuais dos alunos que não eram atendidas anteriormente", diz Van Woeart. “Alguns alunos estão aprendendo melhor em grupos menores - em um nível mais pessoal e interativo do que em grandes salas de aula”.

Craig Park, do Sextant Group, reconhece como o aprendizado ativo dá mais vantagens aos alunos, mas também diz: "Existem vários modelos pedagógicos que podem ser aprimorados com o AV". Ao consultar o corpo docente, ele discute qual modalidade de ensino seria a melhor opção para o sistema pedagógico exclusivo da faculdade, e então desenvolve soluções em torno dessa modalidade.

Idea Garden da Universidade de Indiana | AVIXA Idea Garden da Universidade de Indiana

O Idea Garden da Universidade de Indiana exemplifica o “Espaço do Pensador”, que dispõe de muita tecnologia - um ambiente projetado para despertar a curiosidade do aluno e encorajar práticas interdisciplinares. Um design de interior estimulante e as mais recentes tecnologias colaborativas, como o Google Jamboard e o HTC Vive, ajudam a promover a inovação.

Laboratórios de realidade virtual (RV) também estão começando a aparecer nos campi. Em escolas como a William Paterson University em Wayne, N.J., os laboratórios de RV estão substituindo espaços obsoletos, como salas de revelação de fotos. O recém-lançado sistema de RV sem fio Oculus Quest, disponível a preços acessíveis, está sendo anunciado como um disruptor que poderia ajudar a democratizar a tecnologia emergente.

“Você não precisa mais ir a uma CAVE - um espaço de um milhão de dólares - para experimentar RV,” diz Julie Johnston, Diretora de Espaços de Aprendizagem do departamento de Serviços de Tecnologia da Informação da Universidade de Indiana. Conforme a RV se torna mais acessível e gerenciável, ela diz: "Precisamos considerar colocá-la em nossas salas de aula".

O Laboratório de Realidade Virtual e Aumentada da Biblioteca da Universidade de Indiana (VR/AR Lab) está disponível para todos os alunos, corpo docente e funcionários da instituição. O verdadeiro valor da RV, como Johnston a vê, ocorre quando a tecnologia é incorporada em um currículo, incentivando os alunos a pensar, aprender e resolver problemas de maneiras novas e experienciais.

Laboratório de Realidade Virtual e Aumentada da Biblioteca da Universidade de Indiana | AVIXA Laboratório de Realidade Virtual e Aumentada da Biblioteca da Universidade de Indiana

As tecnologias de colaboração por vídeo e de captura de palestras on-line tornam as salas de aula mais do que um espaço físico em um edifício. Devidamente projetado para maximizar a acústica, iluminação e linhas de visão, e integrado com as soluções de conferência AV mais recentes, o espaço do campus se estende a salas de alunos e palestrantes em todo o mundo.

"Nós podemos fazer muito mais com a captura de palestras", diz Van Woeart, "como trazer professores que são especialistas em seus campos, fora de Nova Jersey". Ele compartilha o exemplo de uma aula de gestão esportiva de nível universitário na qual o instrutor, medalhista olímpico de ouro, dava aulas a partir de Jacksonville, Flórida, para 95% da turma. "Nós virtualmente trouxemos a professora para a sala de aula", diz ele. “Foi uma experiência imersiva para os alunos, com interação ao vivo.”

Independentemente da nova tecnologia que possa afetar o design do espaço de aprendizagem, ela deve estar vinculada a uma necessidade genuína do aluno, diz Justin Rexing, CTS-D, Engenheiro de Design Audiovisual da Western Kentucky University e proprietário do Rexing Consulting Group.

"Temos que ter em mente as perspectivas dos alunos", diz ele. Isso exige uma discussão aberta, análise de necessidades e envolvimento de vários colaboradores desde o início do processo. Rexing acredita que "investimentos criteriosos em soluções audiovisuais podem elevar dramaticamente a experiência em sala de aula".

Experiências envolventes - em Público   

E depois de um dia de trabalho ou estudos, as pessoas continuam a se locomover pelos espaços imbuídos de nova tecnologia audiovisual. Marcas de hospitalidade - hotéis e restaurantes - estão adicionando AV aos seus projetos para refletir o estilo de vida digital de seus clientes e atender às expectativas de uma experiência orientada à tecnologia. Shoppings, centros de transporte, espaços públicos - todos estão passando por uma evolução digital, integrando soluções audiovisuais para criar destinos.

Hotel Renaissance da rede Marriott de Nova York | AVIXA Hotel Renaissance da rede Marriott de Nova York

No saguão do Hotel Renaissance da rede Marriott de Nova York, os visitantes iniciam sua experiência digital no corredor do elevador, onde elementos gráficos projetados reagem a seus movimentos. Conforme caminham pelo saguão, o conteúdo da parede muda, convidando-os a “brincar” com o ambiente. Mais adiante no corredor há um concierge virtual, onde os hóspedes podem ficar de pé e apontar para as imagens projetadas na parede e explorar o que lhes interessa. Os sensores respondem aos movimentos das pessoas, ativando o conteúdo e ajudando a determinar onde ir para o jantar, passear, fazer compras ou experimentar a cultura da cidade.

“É uma dança intrincada entre a expressão da marca no ambiente físico e como a mídia digital interativa desempenha um papel no aprimoramento das experiências”, diz David Kepron, Vice-presidente de Estratégias Globais de Design da Marriott.

No novo Hotel Intercontinental de San Diego, os hóspedes e o público podem desfrutar do Liquid Light, uma instalação com projeções de arte em uma grande fachada de vidro. É um mural hiper-real, em movimento, exibido em Ultra High Definition. "Este projeto é um exemplo perfeito de como as organizações do setor de hospitalidade estão intensificando seus empreendimentos para criar uma experiência extraordinária para os hóspedes", diz Jeff Irvin, Diretor da Spinitar, a integradora de AV que trabalhou no projeto em colaboração com a fabricante de tecnologia Christie Digital.

Em Dubai, no City Walk Mall, de 63 mil metros quadrados, 100 milhões de pixels de mídia digital e entretenimento atraem multidões para fazer compras, assistir a programas multimídia e simplesmente se divertirem embaixo de um toldo digital com mapeamento de projeção e cercado por quatro cortinas de água em movimento com projeção mapeada.

Times Square, Nova York | AVIXA Times Square, Nova York

E tem também o transporte público. Um centro frenético de atividades de passageiros, a Autoridade Portuária na Times Square, em Nova York, é uma porta de entrada para o tráfego interestadual. Agora também é o local de uma instalação inteligente de tecnologia artística. Doze janelas no nível da rua do terminal de ônibus da Autoridade Portuária foram transformadas no Coolture Impact, um videowall interativo público, composto por grandes telas de LED. O videowall inclui um sensor de movimento, sistema de rastreamento baseado em câmera que é customizado junto com os painéis de LED da Leyard, que oferecem aos transeuntes a chance de dar vida às telas digitais com seus movimentos. É um lugar onde as pessoas podem se divertir antes ou depois de uma longa jornada.

Com os avanços da tecnologia AV, praticamente qualquer tipo de espaço pode ser transformado para criar novas experiências e facilitar uma melhor produtividade, aprendizado, diversão e muito mais. “Continuamos estudando as experiências audiovisuais, como ambientes digitalmente imersivos, interfaces adaptativas e a neurociência do envolvimento do cliente em um mundo digital”, diz David Kepron, da Marriott. "A influência de uma cultura mediada digitalmente em uma geração emergente resultará em expectativas muito diferentes".

Dan Daley e Kirsten Nelson contribuíram para essa matéria.